Energia solar fotovoltaica é apontada como alternativa para a crise energética

  • 11/Jun/2019

O Sistema Fecomércio/Sesc/Senac-GO, através da Faculdade Senac, realizou, no dia 10/06, o 1º Seminário sobre Energias Renováveis, com foco na fonte solar fotovoltaica. Durante o encontro, que contou com palestra e debate sobre o tema no Sesc Cidadania, e reuniu grande público formado por empresários, autoridades, representantes de entidades e também da distribuidora Enel,  foi discutida a geração e a distribuição de energia, e mostrado um panorama geral das vantagens do uso da energia solar fotovoltaica por empresas e população em geral, como alternativa a crise energética.
Ao abrir o evento, o presidente do Sistema Fecomércio, Marcelo Baiocchi, assinalou a importância de se discutir a geração de energia, principalmente por causa das dificuldades com a distribuição elétrica, ao logo dos anos, que prejudica o crescimento de negócios e da economia no estado. “O Seminário tem por objetivo juntarmos as peças deste tabuleiro”, disse.O presidente destacou que o evento envolveu todas as partes interessadas. “Quem necessita do consumo da energia, que são as empresas, quem distribui, que é a Enel, quem pode gerar esta energia de diversas formas”, disse. Sobre a energia solar fotovoltaica, Baiocchi defendeu o crescimento do uso dessa energia limpa e renovável.
Palestrante convidado, o presidente executivo da ABSOLAR, entidade que representa empresas e profissionais do setor solar fotovoltaico no Brasil, Rodrigo Sauaia, elogiou a iniciativa do Sistema Fecomércio pelo debate e por apoiar a criação de uma representação da Associação em Goiás. Ele destacou,  em entrevista a imprensa, que a energia solar fotovoltaica “tem crescido exponencialmente” no Brasil. “E em Goiás já temos 30 MW em projetos operacionais, o que representa investimentos feitos pelo setor e pela população, pelos consumidores, de mais de R$ 180 milhões”, disse. “Goiânia é o décimo município do Brasil que mais investe em energia solar fotovoltaica”, ainda disse.
O presidente disse que é preciso haver programas de incentivo ao uso e citou o Programa Goiás Solar, implantado pelo governo em 2017, com o apoio da ABSOLAR, como um dos grandes momentos indutores do crescimento da energia no estado. “O número de usuários cresceu de mais ou menos 600 para quase 3 mil sistemas”, comparou. Ele falou sobre o grande potencial de crescimento  do Brasil para aproveitar a tecnologia, pela média de luz solar que recebe,  em especial a região Central do país, onde Goiás se insere.
Sauaia apontou vantagens no uso dela, além do benefício ambiental. “Com o sistema solar fotovoltaico, você tem a tranquilidade de saber, pelos próximos 25 anos, quanto a sua energia elétrica vai custar: você estará produzindo ela”, afirmou.  A forte diminuição do preço da tecnologia nos últimos anos contribuiu para o crescimento da utilização. Mas, na matriz solar brasileira, a energia solar fotovoltaica ainda é a sétima fonte, com 1,2%. “Até 2040, essa fonte vai crescer até representar 32% da matriz”, citou. O financiamento, porém, é visto como o maior gargalo do mercado por mais de 75% das empresas do setor.
O 1º Seminário sobre Energias Renováveis contou, ainda, com falas de Adriano da Rocha Lima, Secretário de Desenvolvimento Econômico do governo, do deputado estadual Virmondes Cruvinel, do presidente do Fundo para o Desenvolvimento da Pecuária em Goiás (Fundepec), membro da diretoria e do conselho Fiscal da FIEG, Joaquim Guilherme Barbosa de Souza; do membro do Fórum Permanente de Energias Renováveis do Estado de Goiás, Coordenador do GT de Desburocratização, Augusto Francisco da Silva; e dos técnicos da Enel Goiás, Paulo Zanin e Jessé Lima.    
 
 

COMENTÁRIOS

  • Não há nenhum comentário para está notícia. Seja você o primeiro a comentar!

ADICIONAR UM COMENTÁRIO


Central de atendimento

Possui alguma dúvida? Fale com Fecomércio!

BANNER | arq_banner_aleatorios/banner_aleatorios_1534427477.jpg
Google Maps Generator by embedgooglemap.net